terça-feira, 2 de setembro de 2008

VEÍCULOS ESPECIAIS








Em Santo André, ao longo dos anos tem nascido uma crescente industria fabricante de veículos
especiais, diversos empreendedores produzem máquinas maravilhosas com muita qualidade.
Porém esbarra-se num problema que penso esteja em todo nosso país, a MÃO DE OBRA.
A carência de bons profissionais é muito grande, funileiros, pintores, laminadores especializados
em fibra de carbono, eletricistas com conhecimento de injeção eletronica, instaladores de som automotivo, tapeceiros e um sem numero de funções que não me recordo agora. Os pequenos
fabricantes vivem na base do quebra galho, treinando e ensinando as pessoas durante a fabricação dos seus produtos. O momento em que vivemos neste país, nos leva a acreditar que
esta industria dos "brinquedos para meninos crescidos" tende a crescer bastante e necessitará
desta mão de obra que não dispomos...





5 comentários:

Mauricio Morais disse...

falta de mão de obra qualificada é um problema de educação, até meu filho adolescente, 16 anos, que estuda em escola particular, sente o que é esse problema. Ele está em dúvida sobre seu futuro profissional, e não tem nenhum apoio na escola para orientá-lo.
Não existe uma cultura brasileira que traga cosnciência na cabeça de nossos jovens. E esse problema é antigo. Eu tenho um diploma de eletrotécnico, de quando formei no 2º grau, porém, mal sei trocar uma lâmpada! Não enssinaram nada, era sópra inglês ver, como tudo no Brasil, o país do faz de conta...

Mauricio Morais disse...

Ah, acabei me esquecendo. Belas fotos. E outra coisa, ninguém podia encostar nos carros não?! Sem graça.

Francisco J.Pellegrino disse...

Mauricio, melhor seria colocar uma cêrca de arame farpado entre o público e os veículos, se vc deixar eles entram no carro, dão partida, aceleram...tudo sem pedir
autorização...melhor nem falar neste assunto...

Jux disse...

Acho que o problema não é exatamente a falta de mão de obra, mas a remuneração dessa mão de obra. Nos EUA já vi Corvette 70 abandonado na rua, porque lá os profissionais citados (lanterneiros, laminadores, pintores, tapeceiros etc)são bem pagos, moram em casa próprias tem carro e um padrão de vida decente. Aqui os caras moram em favelas, andam de ônibus e não são reconhecidos (sem contar equipamentos como soldas, estufas etc)

Jux disse...

Êpa! O tonto aqui postou com o e-mail da minha mulher aberto e entrou como JUX, mas na realidade sou o Cesar Costa (www.fotolog.com/berlineta)